RESUMENES

P061
PAPEL DOS RECEPTORES AT1 (AT1r) NO APETITE POR SÓDIO NO HIPOTIREOIDISMO.
Passos Jr DB, Olivares, EL, Ventura RR, Silva LFS, Reis LC.
Depto. de Ciências Fisiológicas, IB, UFRRJ.
      O papel dos AT1r de angiotensina II (ANGII), no apetite por sódio foi investigado no hipotireoidismo induzido em ratos pela administração de metimazol e tratados com o antagonista de AT1r, losartan (LOS), administrado cronicamente, per os, adicionado ao alimento ou agudamente, por via sc, após depleção hidrossalina (DH) ou privação de água e alimento (PA) (N=12). LOS adicionado à ração (1 mg/g) reduziu a ingestão espontânea de NaCl 1,8% em ratos hipotireóideos (TX) (11,9±1,9 ml vs 6,1±1,1 ml, 3 dias após). Após o aumento da dose de LOS para 2 e 4 mg/g não se verificou redução da ingestão de NaCl. Baixa dose de captopril (CAP, 1 mg/g), adicionado à ração, simultaneamente ao LOS em ratos TX elevou a ingestão de NaCl e a sua remoção fê-la retornar aos valores anteriores. A administração de LOS em ratos TX simultaneamente ao CAP reduziu a ingestão de NaCl. O mesmo verificou-se entre os ratos eutireóideos (T) exceto que os TX recuperaram os níveis anteriores mesmo com a manutenção do tratamento com LOS. A administração sc de LOS (20 mg/kg) em ratos TX sob DH reduziu a ingestão de NaCl e água (NaCl: 0,4±0,09 ml vs TX controles, 3,6±0,6 ml; água: 0,5±0,1 ml vs TX controles, 1,8±0,1 ml, aos 120 min). A administração de LOS em ratos TX após PA também reduziu a ingestão de NaCl e água (NaCl: 0,8±0,4 ml vs TX controles, 5,4±0,5 ml; água: 0,1±0,09 ml vs TX controles, 2,2±0,4 ml, aos 120 min). Em conclusão, o tratamento crônico com LOS inibiu o apetite por sódio espontâneo dos ratos TX. Prosseguindo o tratamento, os ratos TX tornaram-se resistentes ao bloqueio de AT1r. O efeito natriorexigênico do CAP foi reduzido pela administração concomitante de LOS o que sugere que em ratos TX a ANGII gerada no cérebro participa da expressão do apetite por sódio. A restauração da resposta após a continuação do tratamento com LOS combinado ao CAP sugere a mediação de um mecanismo central adaptativo adicional àquele dependente de AT1r. Tanto a DH quanto a PA induziram a um apetite por sódio que agudamente depende de atividade angiotensinérgica cerebral nos ratos TX, mediada pela ativação de AT1r.
Apoio: PRONEX/MCT
P062
THYROID HORMONE ECONOMY IN HEXACHLOROBENZENE INTOXICATED RATS.
Alvarez L.(1), Hernandez S. (1), Martinez R(2), Randi A(1), Kolliker-Frers R (1), Obregón MJ(2) and Kleiman de Pisarev DL (1).
Depto. de Bioquímica Humana, Facultad de Medicina, UBA(1); Instituto de Investigaciones Biomédicas, Madrid, España(2).
      Hexachlorobenzene (HCB) is a dioxine-type chemical compound widely distributed in the environment. Chronic exposure of laboratory animals to HCB triggers porphyria, induces liver microsomal enzymes, endocrine disfunctions and cancer. It has been shown that epididymal white and interscapular brown adipose tissue (BAT) are primary targets in intoxicated animals. The essential function of BAT, is thermogenesis by the uncoupling protein (UCP-1), which is regulated by thyroid hormones and noradrenaline. We have previously shown that chronic administration of HCB induced a decrease in serum thyroxine (T4) levels without alterations in serum triiodothyronine (T3). The main pathways of T4 metabolism are peripheral deiodination and conjugation with glucuronic acid in the liver. The major sources of serum T3 are the liver, kidney and, thyroid and brown adipose tissue (BAT) in hypothyroxinemia. Our goal was to study the effect of HCB ( 100 mg/100g/b.w. during 4 weeks) administered to male Wistar rats, on the following parameters: a) thyroid hormone economy, evaluating T4 deiodination in several tissues, and T4 glucuronidation, b) mRNA levels of UCP-1. Our results indicated that 1) the activity of type I 5'deiodinase (5'D I) did not change in liver and decreased 53% in kidney (C: 55.6 +/- 1.1 pmol/min/mg prot., p < 0.02) and 50% in BAT ( 5'D II) (C: 25,3 +/- 3.4 fmoles/min/mg prot., p < 0.05) and increased 14% (C: 174.5 +/- 3.6, p <0.05 pmol/min/mg prot) in thyroid. 2) tissue concentration of T3 decreased in BAT and kidney without changes in liver, while T4 levels did not change in any tissue. 3) UCP-1 mRNA and noradrenaline levels also remained unchanged both in thermoneutrality and under cold exposure. 4) the activity of T4 UDP-glucuronyl transferase (UDPGT) increased 100% (C: 5.5 +/- 0.6 pmoles/min/mg prot; p< 0.05) without alterations in T3 UDPGT. We can conclude that HCB-induced hypothyroxinemia was not due to an increase in deiodination activity of liver, kidney or BAT, but instead it could be explained by an increase in glucuronidation hepatic activity. The normal serum T3 level may be attributed in part to an increase in liver weight and in a lesser degree, to an increase in 5'D I thyroid activity.
P063
INFLUÊNCIA DO HIPERTIREOIDISMO MATERNO OCORRIDO ANTES DO ACASALAMENTO EM FILHOTES DE RATAS
Silveira, MFG*; Pereira, SSL**; Silva, IMS**; Souza, GML** e Catanho, MTJA**.
Departamento de Anatomia* e Departamento de Biofísica** - CCB/UFPE , Recife - PE, Brasil.
      Os hormônios são elementos essenciais ao organismo, os hormônios tireoideanos são fundamentais ao metabolismo, desenvolvimento do sistema nervoso, crescimento orgânico. O hipertireoidismo, em fêmeas, quando ocorre antes do acasalamento, provoca alterações nos filhotes. O hipertireoidismo foi induzido em fêmeas normais, que foram tratadas por 2 dias com tiroxina (2m;g por 100g de peso corpóreo/dia), por via intraperitonial, antes do acasalamento. O grupo controle recebeu solução salina por via intraperitonial. Os hormônios T4 e T3 total foram avaliados por radioimunoensaio, o cálcio e a glicose foram avaliados por colorimetria. Foi utilizado o teste t de Student para a análise estatística com p £; 0,005 e n = 10. A prole sofreu alteração aos 10, 20, 30 e 60 dias de vida nos níveis séricos de T4 e T3, cálcio e glicose. Os ratos com 20 dias de vida, filhos de fêmeas hipertireoideas, apresentaram reduções significativas nos níveis séricos de T4 em 85% e de T3 em 66%, quando comparados aos filhotes de mães controle. Neste grupo, também aos 20 dias de vida, os níveis séricos de cálcio apresentaram um aumento de 17% e os níveis séricos de glicose um aumento significativo de 77%, em relação aos filhos do grupo controle. Outras modificações foram observadas em relação ao peso e ao tamanho corporal dos animais. A administração de tiroxina, em fêmeas antes do acasalamento, afeta de alguma forma a função da glândula tireóide fetal, causando alterações nos níveis séricos de T4, T3, além de alterar os níveis de cálcio e glicose dos filhotes depois de nascidos, indicando que o hipertireoidismo materno influencia a vida pós-natal do rato.

P064
HIPOTIREOIDISMO E ESTRESSE AGUDO EM RATOS SÉPTICOS. AVALIAÇÃO DA SECREÇÃO DE CORTICOSTERONA.
Rodriguez, T., Albuquerque-Araújo, W.I.C., Antunes-Rodrigues, J., Reis, L.C., Ramalho, M.J.,
Deptos. Fisiologia: ICS-UFBA, FMRP-USP, Brasil.
      Há evidências de mecanismos recíprocos entre o sistema imune e neuroendócrino. A comunicação bidirecional entre os sistemas é mais evidente em processos que alteram a homeostase do organismo como estresse e infecções. Avaliou-se a influência dos hormônios tireoidianos sobre a secreção de corticosterona (CORT) em ratos sépticos submetidos ao estresse agudo de imobilização(IMO). Ratos Wistar (190-260g), tireoidectomizados (TX) e normais (N), (n=13/grupo), foram submetidos a 120 minutos de estresse de IMO. Ambos os grupos (N e TX) foram tratados com endotoxina lipopolissacarídeo - LPS (250 mg/100 g peso corporal) ou salina (SL) 90 minutos antes da indução do estresse. Foram coletadas amostras de sangue para dosagem de CORT antes do estresse e da injeção de LPS (basal), durante os 90 minutos de sepse e, 30 e 120 minutos após IMO. As seguintes alterações foram observadas na secreção de CORT (mg/100ml ± DP da média):

Basal90 min. sepse30 min. + SL30 min. + LPS120 min. + SL120 min. + LPS
N5,5 ± 3,920,3 ± 3,944,5 ± 5,440,9 ± 7,415,5 ± 7,010,0 ±1,3
TX4,4 ± 3,219,9 ± 6,921,2 ± 7,917,0 ± 4,012,5 ± 1,711,5 ± 2,5
Ratos normais apresentaram elevação na secreção de CORT durante o estresse. Ratos TX mostraram redução significativa da resposta na secreção de CORT durante o estresse (p<0,001) quando comparados aos ratos normais. A indução de sepse com LPS não modificou a liberação de CORT durante o estresse em nenhum dos dois grupos, N e TX, quando comparados com seus controles tratados com salina. Os hormônios tireoidianos não interferem no sistema utilizado pelo LPS (sepse isoladamente), para ativação da liberação de CORT.

P065
HIPOTIREOIDISMO E ESTRESSE AGUDO EM RATOS SÉPTICOS. AVALIAÇÃO DA SECREÇÃO DE PROLACTINA.
Rodriguez, T., Albuquerque-Araújo, W.I.C., Antunes-Rodrigues, J., Reis, L.C., Ramalho, M.J.,
Deptos. Fisiologia: ICS-UFBA, FMRP-USP, Brasil.
Há evidências de mecanismos recíprocos entre o sistema imune e neuroendócrino. A comunicação bidirecional entre os sistemas é mais evidente em processos que alteram a homeostase do organismo como estresse e infecções. Avaliou-se a influência dos hormônios tireoidianos sobre a secreção de prolactina (PRL) em ratos sépticos submetidos a estresse agudo de imobilização(IMO). Ratos Wistar (190-260g), normais (N) e tireoidectomizados (TX), (n=13/grupo), foram submetidos a 120 minutos de estresse de IMO em tubos de contenção. Ambos os grupos (N e TX) foram tratados com endotoxina lipopolissacarídeo-LPS (250 mg/100g peso corporal) ou salina (SL) 90 minutos antes da indução do estresse. Foram coletadas amostras de sangue para dosagem de PRL antes do estresse e da injeção de LPS (basal) e, aos 05, 15, 30 e 120 minutos após IMO.As seguintes alterações foram observadas na secreção de PRL(ng/ml ± DP da média):
PRL-Basal PRL 5 minPRL 15 minPRL 30 min.PRL120 min.
N - SL5,6 ± 2,922,9 ± 18,116,7 ± 10,916,5 ± 14,917,4 ± 2,1
TX - SL3,9 ± 1,28,8 ± 4,67,3 ± 5,86,5 ± 5,18,0 ± 2,7
N - LPS6,2 ± 2,865,0 ± 62,156,4 ± 53,743,4±45,429,3 ± 14,3
TX - LPS5,5 ± 2,917,6 ± 10,714,0 ± 10,113,0 ± 8,913,5 ± 7,4
O estresse de IMO em ratos normais produz elevação acentuada na liberação de PRL. Ratos TX apresentam redução significativa (p<0,05) da resposta da secreção de PRL durante o estresse quando comparados aos normais. A indução de sepse potencializa a liberação de PRL durante os 120 min. de IMO em ratos normais. Porém, o LPS não potencializa a liberação de PRL em ratos TX após os 5 min. de estresse quando comparados aos seus respectivos controles tratados com salina.
P066
THYROID CARCINOMA: INCIDENCE AND MORTALITY IN THE CITY OF GOIANIA FROM 1988 TO 1997.
Curado MP; Paula EC; Lima JAJ; Miranda AR; Paula HM; Mineiro MS; Latorre MR
Hospital Araújo Jorge (Associação de Combate ao Câncer de Goiás); Registro de Câncer de Base Populacional de Goiânia. Goiânia, Brasil.
      The real epidemiological situation of thyroid carcinoma in Brazil is not well known because the lack of actual information about incidence and mortality through the different brazilian areas. Therefore, the authors of these research proposed to show the situation of thyroid carcinoma in Goiania, its incidence and mortality from 1988 to 1997, so as it turns possible to make up an actual data about thyroid carcinoma in Brazil. It was reviewed the whole cases of thyroid carcinomas and deaths certificates on the Cancer Registry of populational base of Goiania (Registro de Câncer de base populacional de Goiânia). The female median crude incidence rate during the period of 1988 to 1997 was 3,72/100.000, and the male median crude incidence rate was 0,9/100000; and the female mortality crude rate during the same period was 0,43/100.000, and for male the mortality crude rate was 0,2/100.000.The papillary carcinoma was the most incident tumor followed by the follicular. The incidence rate was more comum in females with two peaks during the age of 25-29 and age 40-44. We noted also at the incidence after age of seventies are similar to the follicular and papillary carcinomas. The incidence of thyroid carcinomas in Goiania resembles cities like Bombay and Shangai, besides countries like Denmark and UK. The highest incidence of this cancer in the world is in Hawaii (Filipinos), where the male crude incidence rate is 4,4/100000 and the female crude incidence rate is 11,3/100000. The crude incidence rates of thyroid carcinoma in Goiania is, just a little higher than the American one.

P067
A CLINICAL PATHOLOGICAL STUDY: THYROID FOLLICULAR AND HÜRTHLE CELL CARCINOMA
Matos PS, Ermetice MN, Assumpção, LVM.
Departments of Pathology and Endocrinology, UNICAMP Medical School, Campinas, S.P., Brazil.
      We present the results of a clinicopathologic study of 37 cases of follicular thyroid carcinoma (FTC) The study group of patients included 21 cases of follicular and 16 cases of Hürthle cell carcinoma (HCC). Follow-up,available in all cases, ranged from 5 months to 12 years. Three categories, on the basis of the extent of tumor invasion, were considered: encapsulated or minimally invasive carcinoma, intrathyroid widely invasive carcinoma and extrathyroid widely invasive carcinoma. Several clinical variables (age, sex, local recurrence, lymph node or distant metastases) as well as pathological ones (tumor size, growth pattern, vascular invasion, capsular invasion, nuclear size, pleomorphism, mitotic rate, necrosis, fibrosis, associated nodular goiter) were analysed in order to find significant behavior differences between HCC and FTC. Most of the patients (33) are alive. We had 4 deaths; three of them were due to the tumor and the fourth resulted from a stroke. All of the patients who died had distant metastases or recurrences within a period that ranged from 7 to 36 months and the tumors were widely invasive ones. There were significant differences of behavior between widely invasive tumors and minimally invasive ones, regarding the curve of time free of hematogenic metastasis, time free of recurrence and disease-free survival. HCC exhibited larger nuclei and more intense pleomorphism than FTC. On the other hand there was no difference of behavior between HCC and FTC, when related to disease-free survival. In multivariate Cox regression analysis, only two variables (degree of invasiveness and number of mitoses) showed to be independent prognostic factors both for time free of metastases and disease-free survival. Metastases of both HCC and FTC were mostly distant and predominantly involved bones and lungs. The other clinicopathologic variables didn´t provide additional prognostic information.

P068
AVALIAÇÃO E SEGUIMENTO DE 10 CASOS DE DOENÇA DE GRAVES E CARCINOMA DE TIREÓIDE
Duarte GC, Murro ALB, Zantut Wittmann DE, Tambascia MA, Assumpção LVM
Disciplina de Endocrinologia, UNICAMP, Campinas, Brasil
      Muitos estudos demonstram uma freqüência normal ou baixa da coincidência entre Doença de Graves (DG) e Carcinoma de Tireóide (CaT), variando de 3 a 10%. A maioria dos autores não encontrou diferenças importantes entre pacientes com CaT com ou sem DG quanto a avaliação clínica, resposta ao tratamento ou mortalidade relacionada ao câncer. Apresentamos a experiência do ambulatório de neoplasia de tireóide/HC UNICAMP:10 pacientes, sexo feminino, 19-53 anos, seguidas por 2 meses a 13 anos. A indicação cirúrgica em 3 casos com bócio difuso deu-se apenas pela DG. Nos outros 7 casos, com diagnóstico prévio de nódulo, apenas em 2 o exame citólogico foi sugestivo de carcinoma papilífero e em outros 2 a citologia era inconclusiva. O exame anátomo patológico revelou diagnóstico de carcinoma papilífero nos 10 casos. O tamanho dos nódulos variou entre 0,3 a 4,7 cm, sendo nódulo único em 5 casos e multicêntrico no restante. Histologicamente, havia 1 caso variante folicular difuso, 1 variante folicular, 1 variante de células altas, 1 variante esclerosante e 6 papilíferos forma clássica. 3 pacientes mostraram metástases loco regionais (linfonodos e tecido adiposo). Durante o seguimento, 1 paciente apresentou metástases pulmonares. Nos 4 pacientes com tumor multicêntrico os nódulos tumorais eram menores que 1,0 cm. Ressaltamos a importância da pesquisa de nódulos coexistindo com DG devido a possibilidade de associação com CaT. Adicionalmente, CaT pode ser um achado incidental em bócio difuso e de DG.

P069
CARCINOMA BEM DIFERENCIADO DE TIREÓIDE LOCALMENTE INVASIVO
Gonçalves Filho J, Kowalski L P
Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Otorrinolaringologia - Centro de Tratamento e Pesquisa Hospital do Câncer A C Camargo, São Paulo - SP - Brasil
      Introdução: O carcinoma bem diferenciado da glândula tireóide usualmente apresenta um excelente prognóstico. No entanto, a presença de extensão extra-tireoideana com invasão de estruturas adjacentes está associado a uma significativa morbidade e mortalidade. Objetivo: Este relato apresenta a experiência de uma única instituição no tratamento de pacientes com carcinoma diferenciado de tireóide localmente invasivo. Pacientes e Métodos: De janeiro de 1970 a dezembro de 1995, 44 pacientes com carcinoma bem diferenciado de tireóide localmente invasivo foram submetidos a tratamento cirúrgico. Havia 33 pacientes do sexo feminino e 11 masculino, com idade mediana de 44 anos. O tipo histológico incluía: 28 pacientes com carcinoma papilífero e 16 pacientes com carcinoma folicular. Resultados: A musculatura pré-tireoideana, nervo laríngeo recorrente, traquéia e laringe foram as estruturas extra-tiroideanas mais freqüentemente invadidas. Pacientes com invasão exclusivas da musculatura ou do nervo laríngeo recorrente foram geralmente submetidos a ressecção completa do tumor. Pacientes com invasão da traquéia laringe ou esôfago foram mais usualmemente submetidos a ressecção de tipo shave. Os fatores que adversamente afetaram a sobrevida foram: idade acima de 45 anos, diagnóstico pré-operatório de extensão extra-tiroideana e ressecção incompleta (p < 0,05). Conclusão: Neste estudo, ressecção conservadora tipo shave apresentou resultado de sobrevida estatisticamente semelhante à ressecção completa. Com isso, em casos selecionados, a ressecção tipo shave representa uma alternativa à ressecção completa na abordagem do carcinoma bem diferenciado invasivo de tireóide com aceitável sobrevida e baixa morbidade.
P070
ADENOMAS PARATIROIDEOS NO FUNCIONANTES: HALLAZGO INTRAOPERATORIO
Sánchez, A; Novelli, JL.
Centro de Estudio de Tiroides y Paratiroides (C.E.T.y P.), Rosario, Argentina
       En una serie de 1099 tiroidectomías, realizadas hasta diciembre de 2000 por el mismo cirujano, se hallaron 3 adenomas de paratiroides no funcionantes. Se trató de pacientes de sexo femenino de 47,48 y 58 años de edad respectivamente que habían ido a cirugía por bocio nodular. El diagnóstico clínico era "bocio multinodular" en 2 casos y "gran quiste tiroideo" en el restante. La punción aspirativa preoperatoria había indicado "lesión folicular" en las 3 instancias. La biopsia intraoperatoria por congelación demostró cáncer papilar de tiroides en 2 casos, que fueron sometidos a tiroidectomía total; en el tercer caso se realizó hemitiroidectomía del lado donde asentaba el gran tumor quístico. En los 2 primeros casos, los adenomas paratiroideos, de 15 y 18 mm de diámetro mayor fueron identificados durante la cirugía, y en el tercero la anatomía patológica diferida determinó que el quiste era en realidad un adenoma de paratiroides intratiroideo, encapsulado y con extensa necrosis. Definimos como "no funcionantes" a estos adenomas puesto que las 3 pacientes tenían normocalcemia (8,5-10,0 mg/dL) en el perfil bioquímico preoperatorio. En el seguimiento ulterior se ha documentado normalidad en los niveles séricos de calcio y de PTH. Conclusión: en nuestra experiencia, se hallaron adenomas paratiroideos no funcionantes en 0,3% de pacientes sometidos a tiroidectomía por bocio nodular.

P071
DOENÇA TIREOIDIANA AUTOIMUNE NA DISGENESIA GONADAL
Affonso FS;Teixeira RJ;Madeira IR;Boy R;Dimetz T;Bordallo MAN e Henriques JLM.
Disciplina de Endocrinologia do Hospital Universitário Pedro Ernesto(HUPE)/UERJ,Rio de Janeiro Brasil.
       Tem sido descrita uma associação aumentada de entre doença tireoidiana autoimune(DTAI)e síndrome de Turner(ST), a forma mais comum de disgenesia gonadal, embora poucos estudos tenham analisado o grau desta associação e seu impacto clínico.Este estudo tem o objetivo de descrever a prevalência de DTAI nos portadores de disgenesia gonadal acompanhados no ambulatório de Endocrinologia do HUPE.Avaliamos 21 pacientes, entre 8-40anos de idade, sendo 19 com ST (45,XO ou 45X0/46XX)e 2 com disgenesia gonadal mista (DGM - 45,X0/26,XY).Realizamos dosagens séricas de TSH ,T4 e/ou T4livre e anticorpos anti-tireoperoxidase (Anti-TPO).Seis pacientes (28,6%)desenvolveram DTAI aos 17,5 anos de idade(10-32 anos), sendo cinco com ST e uma com DGM.O diagnóstico de DTAI foi realizado um ano antes em um caso e nos demais 2,0 anos (0,8-4anos)do diagnóstico de disgenesia gonadal.Destes, quatro apresentavam anti-TPO positivo, quatro tinham hipotireoidismo subclínico(TSH > 6,5 micro IU/ml com T4 e/ou T4 livre normais)e dois eram eutireóideos.A prevalência de DTAI nos portadores de ST foi de 26,3%,com o hipotireoidismo subclínico ocorrendo em três pacientes(15,8%).Uma paciente com DGM também apresentou hipotireoidismo subclínico.Concluímos que os portadores de ST têm um maior risco de DTAI,sendo o hipotireoidismo subclínico a disfunção tireoidiana mais comum.A ocorrência de um caso de DGM associado com hipotireoidismo foi uma surpresa, visto que não encontramos relato na literatura médica da associação entre estas duas desordens.Sugerimos que os pacientes com disgenesia gonadal , em especial os casos de ST,devam realizar avaliação da função tireoidiana periódica anual.

P072
ESTUDO DA FUNÇÃO TIREOIDIANA NA SÍNDROME DE TURNER
Guerra CTG, Alves STF, Ramalho PP, Farias MLF, Santos MFC, Beserra ICR, Oliveira HP, Guimarães MM.
HUCFF - IPPMG, Endocrinologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
       Na Síndrome de Turner é relatado alta prevalência de doenças autoimunes entre elas o hipotireoidismo. Estudamos a função tireoidiana de 44 pacientes, com idades entre 4 e 50 anos, através da dosagem de TSH e T4. As pacientes foram agrupadas pelo cariótipo em monossomia (n=22), mosaíco (n=17) e alteração estrutural do X (n=4) e pela função tireoidiana em Grupo A (Eutireoidiano-TSH e T4 normais), Grupo B (Hipotireoidismo-TSH elevado e T4 baixc) e Grupo C(Hipotireoidismo sub-clínico, TSH elevado e T4 normal). Os anticorpos (AC) foram dosados em 26 pacientes. A distribuição das pacientes pela frequência (n) nos grupos, o número de dosagens de AC e positividade destes (AC+) encontram-se na tabela abaixo.
                                      Cariótipo                    Grupo A                  Grupo B                 Grupo C
nACAC+(%)nACAC+(%)nACAC+(%)
monossomia1473 (37,5)1--742(50)
mosaico1284(50)211(100)221(50%)
alteração do X2--111(100)111(100)
Total28157(46.7)422(100)1074(57.5)
Os anticorpos anti-tireoperoxidadse (aTPO) foram dosados em 21 e o anti-tireoglobulina (aTG) em 26 pacientes, 21 realizaram a dosagem de ambos AC, entre estas encontramos os 2 AC elevados em 12 pacientes(57,1%), apenas aTPO em 1(4,7%) e apenas aTG em 3(14,2%). Uma paciente mosaíco apresentava hipotireoidismo secundário e seus anticorpos encontravam-se negativos. Observamos uma alta prevalência de hipotireoidismo clínico e sub clínico na Síndrome (34,9%), assim como de positividade de AC (50%), sem significância estatística entre as formas de cariótipo. Observamos também que existe uma alta prevalência de AC (46,7%), no grupo eutireoidiano ainda sem alterações hormonais. Concordando com a literatura, concluímos que as pacientes com S. de Turner devem ser acompanhadas do ponto de vista tireoidiano, através de avaliação hormonal e dosagem de anticorpos periódica, devido a alta prevalência de doença autoimune e hipotireoidismo.

P073
PATOLOGÍA TIROIDEA EN EL EMBARAZO NUESTRA EXPERIENCIA.
Becerra,H;Bonacorsi,SM;Flores,C,Jouffré,G;Sola,MO;Voglino,S. H.J.Penna.BahíaBlanca.Argentina Zavatti,J UN Patagonia. Sede Puerto Madryn.Argentina.
       El endocrinólogo se enfrenta frecuentemente a las patologías tiroideas presentes en el embarazo el seguimiento de estas mujeres ya diagnosticadas es de fundamental importancia para lograr el eutiroidismo el cual permite embarazos y recién nacidos(RN) sin complicaciones. Nos propusimos evaluar las variaciones hormonales tiroideas y medicación, en los 3 trimestres (T) del embarazo y en el postparto, pesquisando además la presencia de complicaciones perinatológicas .Atendimos 37 mujeres derivadas por patología tiroidea previa y embarazo. Del total, 24 eran hipotiroideas y 13 hipertiroideas. Se realizó FT4 y TSH (ACS 180) en los tres T, anticuerpos antitiroglobulina ATG y antiperoxidasa TPO (DSL) sólo en el primero. Las pacientes hipotiroideas fueron medicadas con levotiroxina en un promedio inicial de 68,6 mcg en el 1ºT, en el 2ºT 91,2 mcg , en el 3ºT 104 mcg siendo en el 2º mes de posparto de 80 mcg (p=0,0005). La TSH disminuye durante toda la gestación, desciende de 4,5 en el 1er(T) de embarazo a valores de 2,2 en el último y llega a 1,7 en el puerperio p=0,002. La FT4 sube significativamente en el puerperio p= 0,002.
Las dosis de MMI, que recibieron las hipertiroideas fue de 25,7 mg en el 1erT; 23,8 en el 2dpT y 22 mg en el 3ºT y en el posparto 20 mg. el descenso de la FT4 se produce durante todo el embarazo.La caída más notable se produce entre el 1er y 2do T p<0,00006 .Del total de embarazos hubo 32 nacimientos sin ninguna complicación, 3 RN pretérmino extremos y 2 abortos.Los datos permiten decir que la diferencia de pesos entre los RN provenientes de embarazadas hipertiroideas (promedio 2,761 kg) y embarazadas eutiroideas (3070,8 kg) no son significativos p = 0,19. Durante el embarazo se observa un aumento de la necesidad de levotiroxina en hipotiroideas.La dosis de MMI se reduce paulatinamente durante el embarazo, la diferencia entre dosis promedio no es significativa p= 0,78. Un elevado porcentaje (76%) de pacientes comienzan la gestación con anticuerpos antitiroideos positivos. Es de importancia el control estricto de las embarazadas con lo cual logramos un elevado porcentaje de éxito en el seguimiento de los embarazos, así como RN en óptimas condiciones.

P074
TIREIDITE PÓS PARTO (TPP) EM MULHERS ACOMPANHADA POR UM PERÍODO DE ATÉ 9 MESES PÖS O PARTO
Beck MO, Garafallo S, Mathias A, Martini F, Oliveira E, Costa Neto A.
Hospital Universitário de Santa Maria - Rio Grande do Sul. Brasil
       Foram avaliadas 80 gestantes consecutivas no Ambulatório Geral de Pré Natal do Hospital Universitário de Santa Maria com o objetivo de estimar a prevalência de TPP em um período de acompanhamento de 9 meses pós o parto .As pacientes foram avaliadas quanto a presença de sinais e sintomas de hiper / hipotireoidismo, tabagismo, uso de contraceptivos, história familiar de doença tireoidiana. A presença de bócio foi pesquisada segundo OMS. Foram excluídas aquelas com doença prévia da tireóide e presença de patologias auto-imune como o Diabete Tipo 1. As gestantes tinham idades de 26 ± 6 anos e foram investigadas no final da gestação (33 ± 3 semanas e com 11 ± 7 semanas e 31 ± 6 semanas pós o parto. A função tireoidiana foi aferida pelo T4 livre, TSH e Anticorpos (AC) Anti-microssomial e Anti-TPO. Na avaliação pré-parto, 5% apresentavam AC positivos e todas tinham a função tireoidiana normal. Nas duas avaliações subsequentes do período pós parto, a positividade dos AC aumentou para 11% e 21%. No entanto, a presença de TPP foi encontrada em apenas quatro pacientes. Em duas destas (50%), apresentaram AC positivos na avaliação perinatal. Quanto a fase de diagnóstico 2 estavam em hipertireoidismo e 2 em hipotireoidismo.. Não houve diferença quanto a presença de bócio e de sintomas entre aquelas com e sem TPP. Embora a presença de AC tenha aumentado com o tempo de pós parto, a prevalência de TPP foi semelhante a demonstrada em outros estudos

P075
EMBARAZO: ¿NUEVO FACTOR DE RIESGO DE CANCER TIROIDEO?
Drs.Munizaga F,Saéz J*, Soto N, Hidalgo S, Lioi X, Ríos R.
Servicio de Medicina, Unidad de Endocrinología. Servicio de Obstetricia*. Hospital San Borja Arriarán. Universidad de Chile. Santiago, Chile.
       Existen pocos estudios de patología nodular tiroídea durante el embarazo, y aparentemente habría un incremento mayor que la etiología fuera neoplásica, por lo que se decide realizar la siguiente investigación. Material y métodos: Se estudiaron en forma prospectiva 20 mujeres embarazadas, portadoras de nódulo tiroídeo único, como hallazgo (5)o preexistente (15)que aumentó de volumen durante este. Se comparó con 40 mujeres de edad similar, no embarazadas con nódulo único sólido. Realizándose ultrasonografía con equipo ALOKA con transductor de alta resolución 7,5 a 10 MHZ. La muestra citológica se obtiene por punción con aguja 23/G con aplicación presión negativa continua bajo visión ecográfica.
Resultados:
CONTROLEMBARAZADAS
N4020
Edad:18- 40 años18- 40 años
X + DS:32.1+ 5.627.5 + 7,8
Diámetro(mm):19,6 + 1026,6 + 8,4
Citología(+):46
Operadas:99
Total Cáncer:58
%12,50%40%*
                                                        *p < 0,005
Conclusión: La detección durante el embarazo de nódulo tiroídeo único o el incremento de volumen de uno preexistente tiene mas riesgo significativo que la etiología sea un cáncer tiroídeo

P076
EFEITO DO HIPERTIROIDISMO NA EXPRESSÃO GÊNICA DE IGF-I E -II HEPÁTICOS DE RATOS E CAMUNDONGOS ANÕES LIT-LIT.
Almeida S, Ebina KN, Vieira RB, Kimura ET
Instituto de Ciencias Biomédicas -ICB-USP
       As alterações decorrentes da disfunção tiroidiana influenciam os níveis de IGF no organismo porém não existe um consenso quanto ao efeito do hipertiroidismo. Os IGFs são sintetizados principalmente pelo fígado, sendo que IGF-I é modulado predominantemente pel GH hipofisário e também dependente de HT, mas a expressão de IGF-II é GH independente. Para avaliar a influencia do hipertiroidismo na expressão de IGFI e II hepáticos administramos tiroxina (T4 - 25 mcg/100g PC) em ratos Wistar período de tratamento 7 (T7), 14 (T14) e 21 (T21) dias e camundongos anões lit/lit receberam T7, um outro grupo recebeu tratamento combinado de HT (T7) e GH. Soros dos animais foi coletado para dosagem de T3. A expressão gênica de IGF-I e -II hepático foi estudado por rtPCR (26 ciclos), utilizando 3 mcg de RNA total. O gene RPL19 foi co-amplicado em cada amostra como controle interno da reação. O tratamento com HT nos ratos não mostra modificação na expressão gênica de IGF-I, mas a expressão de IGF-II no T7 e T14 apresentam diminuição (p<0,05). Em camundongo lit/lit não detectamos mRNA de IGF-I, porém a expressão gênica de IGF-II está presente e os níveis de mRNA diminuem com HT por T7 (p<0,05). Tratamento combinado de camundongos lit/lit com GH (1mcg/d ou 5 mcg/d - T7) e HT (T7) não restaura a expressão de IGF-I. A expressão de IGF-II diminui com tratamento com HT (T7) e com tratamento combinado HT e GH. Embora a literatura indique que HT aumenta a expressão de IGF-I em cultura de células, o hipertiroidismo no animal in vivo mostra que HT não influencia a expressão gênica de IGF-I, e por outro lado apresenta um efeito inibitório à expressão de mRNA de IGF-II. Estas alterações podem contribuir para o efeito catabolico observado no hipertiroidismo.
Apoio financeiro FAPESP 97/03209-3, 98/0264-6, 98/14292-0 e 00/08123-4.

P077
THYROID HORMONE (T3) MODULATES GLUT4 GENE EXPRESSION IN RAT CARDIAC MUSCLE.
Gisele Giannocco, Rosangela A. Santos, Ubiratan F. Machado, Maria Tereza Nunes
Department of Physiology and Biophysics, Institute of Biomedical Sciences, University of São Paulo, São Paulo, Brazil
       Cardiac muscle is characterized by high rate of glucose consumption. The enhancement of metabolic rate by thyroid hormone in cardiac muscle is accompanied by increase of glucose utilization and we decide to investigate if T3 is able to alter the GLUT4 gene expression in this tissue. Dose-response and time course studies were performed in thyroidectomized rats (TX;~250g, drinking MMI 0.03%) treated or not with the following doses of T3 0.3; 5.0; 12.5; 25.0; 50 and 100ug/100g BW, ip, for 5 days period and 100ug/100g BW, iv, for 30, 60, 120 min, 6 and 24 h, respectively. Rats were killed by decaptation and total RNA from ventricular muscles was isolated, eletrophoresed and GLUT4 mRNA abundance was determined by Northern blot, using a rGLUT4 32P-cDNA probe, and quantified by laser scanning densitometer . The treatment of Tx rats with increasing doses of T3 induced a dose-dependent increase in GLUT4 mRNA till 2.0 fold at the dose of 50 ug/100g BW, followed by a decay with 100.0ug/100g BW after 5 days of treatment The time course study demonstrated an increase in the GLUT4 mRNA content as soon as at 30 min of the T3 administration, followed by a higher expression level at 24 h of the injection suggesting the involvement of a dual mechanism of control of GLUT4 expression by T3. The results point out the thyroid hormone as an important regulator of the GLUT4 transporter in the cardiac muscle.

P078
T3-DEPENDENT RABBIT SERCA2a PROMOTER ACTIVITY IS MODIFIED BY A MEMBER OF THE ZN FINGER/HOMEODOMAIN FAMILY, ZFHEP, IN JEG-3 CELLS.
Cabanillas AM§, Romero MR§, Linares MA§, Coleoni AH§ & Darling DS‡‡.
§Departamento Bioquímica Clínica, Facultad de Ciencias Químicas, Universidad Nacional de Córdoba, Córdoba, Argentina and ‡‡ Department of Molecular, Cellular and Craniofacial Biology, University of Louisville, Louisville, KY, USA.
       The thyroid hormone (T3) affects the function of the cardiomyocyte, largely due to a direct effect on cardiac genes such as sarcoplasmic reticulum calcium ATPase (SERCA2a), a and b myosin heavy chain and others, through its receptor (TR), which is a DNA-binding protein. We found that the zinc finger homeodomain transcription factor Zfhep can bind similar DNA sequences as TR and inhibited T3-mediated activation of the rat growth hormone (GH) gene. Zfhep is highly expressed in rat heart, but its role in cardiocyte is still unknown. Our goal was to examine the ability of Zfhep to regulate transcription of a T3-responsive cardiac gene, SERCA2a. Transfection assays were performed in JEG-3 cells, using the rabbit SERCA2a promoter (562 base pairs of 5´-flanking sequence) driving the luciferase gene as reporter. Where appropiate, expression vector for Zfhep (pCDNAI/Zfhep), and T3 at 100 nM were present. An expression vector for TRa (pSG5-TRa) was always included. CMVb (expressing b-galactosidase) was used to correct for transfection efficiency. As an additional control, we performed transfections in parallel with GH TRE and DR4 TRE to check T3- and Zfhep- responses of the cells. As expected, GH TRE was responsive to T3 and to Zfhep and DR4 TRE was not responsive to Zfhep. Prior to transfection studies, we examined the endogenous expression of Zfhep in JEG-3 and other cell lines by Western analysis. We found no expression of Zfhep in nuclear extracts from JEG-3, and positive expression in COS-1 and GH4C1 cells. According to literature, T3 stimulated SERCA promoter activity 3.2 fold. Zfhep repressed T3-induced luciferase activity from 16.55 ± 0.50 to 9.29 ± 2.14 (arbitrary light units, n=3, P<0.05). T3-response (T3-r) was diminished by Zfhep to 30% of the control in JEG-3 cells. Seemingly, T3-r was decreased to 33 % in a rat heart-derived cell line H9C2. Our results suggest that: 1- JEG-3 cells represent a good model to study the effect of Zfhep on T3 action; 2- Zfhep could modulate TR-dependent transactivation of heart specific genes such as SERCA2a; 3- Zfhep effect might not be dependent on cell specific factors since it is unrelated to cardiocyte specific cell lines.

P079
POST-TRANSCRIPTIONAL EFFECT OF T3 ON THE GROWTH HORMONE (GH) MRNA POLYADENYLATION
*Claudia B. Volpato, *Emilia M. Shiraishi, **Ana Claudia Latronico, *Maria Tereza Nunes.
*Dept of Physiology and Biophysics, ICB and *Laboratório de Genética Molecular (LIM/42),
Hospital das Clínicas, University of São Paulo, Brazil
       Thyroid hormone is known to induce GH gene transcription, leading to an increase in the GH mRNA levels and protein synthesis. In addition to this effect, previous studies in our laboratory have demonstrated that T3 is able to increase the GH mRNA levels of hypothyroid (Tx) rats as soon as after 30 min of its administration, suggesting that in parallel to its transcriptional effect T3 could present a post-transcriptional effect on the transcript stability. Considering that the mRNA stability is directly related to its poly(A) tail length, we have determined the effects of the induced hypothyroidism, followed by T3 treatment, on the expression and polyadenylation of the GH mRNA. Thyroidectomized rats (~250g) under acute (30 min) or chronic (5 days) therapy with T3 (100 ug/100g BW, iv or ip) as well as euthyroid rats were used in the experiments, in which different approaches, such as Northern blotting analysis, RNase H digestion, PAT (poly(A) test assay), RT-PCR followed by automatic sequencing of GH mRNA poly(A) tail and administration of cordycepin (2 mg/100g BW, ip), an inhibitor of the polyadenylation process, were used to address this issue. In the hypothyroid rats it was detected an increase in the GH mRNA poly(A) tail length, although its expression was shown to be decreased. After 30 min of the T3 administration, an additional increase of the GH mRNA poly A tail (~42 A) was detected, time in which it was shown a 2.5 fold increase in GH mRNA content, effect that was abolished by cordycepin pre-treatment. In contrast, in rats chronically treated with T3, the GH mRNA poly(A) tail length was similar to the euthyroid animals, although GH gene expression was enhanced. The present results indicate that T3 modulates the GH mRNA polyadenylation and lead us to speculate that this post-transcriptional effect might play a role for the acute effect of T3 on GH gene expression, being gradually replaced by stimulation of transcriptional mechanisms under T3 chronic stimulation.
Supported by FAPESP

P080
THYROID HORMONE INDUCES 1-ALPHA HYDROXYLASE IN OSTEOBLAST-LIKE CELLS.
Gouveia CHA, Schultz J and Brent GA.
Molecular Endocrinology Laboratory, Department of Medicine and Department of Physiology, University of California, Los Angeles and West LA VA Medical Center, Los Angeles, CA, USA.
       It was previously shown that cholecalciferol (VD3) is metabolized into 25-hydroxycholecalciferol (25-OH-VD3) and to 1 alpha,25(OH)2cholecalciferol [1,25(OH)2VD], the hormonal form of vitamin D, in bone cells. In addition, it was also shown that 25-hydroxylase and 1-alpha hydroxylase (1a-OHase) are expressed in osteoblasts. In the present study, we investigated the effect of triiodothyronine (T3) on the VD3 activation pathway in osteoblast-like cells derived from rat osteosarcoma (ROS 17/2.8 cells). ROS 17/2.8 cells were cultured in serum-free (SF) media and treated with 10-8 M T3 for 24 hours. The mRNA was isolated and the expression of 1a-OHase was analyzed by quantitative PCR. We showed that T3 induces 1a- OHase mRNA expression about 2.4 times. In an attempt to show a functional relevance of this effect, we investigated the expression of osteocalcin (OC) mRNA expression. In these cells, among other genes, 1,25(OH)2VD3 up-regulates the expression of the OC gene, which contains VDREs in its promoter. ROS 17/2.8 cells were grown in SF media and treated with 10-11 to 10-7 M of 25-OH-VD3 with or without 10-8 M T3 for 24 hours. 25-OH-VD3 induced OC mRNA expression 2.5-, 4.3- and 17.8-fold at concentrations of 10-11, 10-9 and 10-7 M, respectively, when alone, and 6.3-, 20.1- and 25.2-fold, respectively, when combined with T3. T3 alone also up-regulated OC mRNA expression (~ 3 fold), however it was not able to modify the 1,25(OH)2VD3 induction of OC mRNA expression. The present study suggests that T3 stimulates the VD3 activation pathway in ROS 17/2.8 cells by increasing the expression of 1a- OHase. This effect may partially explain the disturbances of calcium metabolism observed in hyperthyroidism.

P081
INCIDENTALOMAS TIROIDEOS
Munizaga F, Soto N, Hidalgo S, Lioi X, Ríos R. Dpto. de Endocrinología.
Hospital San Borja Arriarán. Universidad de Chile. Santiago
       INTRODUCCION: En estudio de ultrasonografía (US) de región cervical en pacientes sanos o con patología no tiroídea se han encontrado la presencia de nódulos tiroídeos entre 17 a 65%, denominados incidentalomas tiroídeas. OBJETIVO: evaluación US tiroídea de pacientes que consultan a endocrinología por patología no tiroídea. MATERIAL Y METODOS: se estudiaron 261 pacientes en forma prospectiva y consecutiva, se realiza US con ecógrafo HITACHI modelo UBE 450, con transductor de 10 MHz. RESULTADOS: Sexo: mujeres 209 (80,1%), hombres 52 (19,9%). Edad: 15 a 80 años x+ DS 40,4 + 14,6 años. Motivo de consulta: obesidad 55,9%, ginecoendocrinológicas o andrológicas 10%, diabetes y sind. X 11,5%, dislipidemias 3,1%, osteoporosis 1,9%, otras 18%. Antecedentes familiares de patología tiroídea: 59 pacientes (22,8%). Se encontró en 56 pacientes (21,5%) nódulo(s) tiroídeo(s), de dimensiones 3 a 21,2 mm (X+DS 7,37 + 3,18), quístico 29 (51,8%), sólido o mixto 27 (48,21%).
                                                        Edad                 Mujeres                Hombres
(años)Nódulo%Nódulo%
<305858,6*1815,6*
31 a 50982222,4*22313,6*
>51532139,6*12433,3*
Total2094823,052815,4
                                                        *p< 0,001
Características del nódulo:
                                                                                        Mujeres        Hombres
Sólido mixto24(50%)3(37,5%)
Quístico24(50%)5(62,5%)
Uninodular36(66,7%)8(100%)
Multinodular12(33,3%)0(0%)
Pacientes con antecedentes familiares de patología tiroídea v/s sin antecedentes (22% v/s 21,3%). Biopsias bajo US (7 pac): hiperplasia folicular(5), T.C.Hashimoto (1), h. Hürthle (1) CONCLUSIONES: 1) Es frecuente el hallazgo US de nódulos tiroídeos en pacientes consultantes por patología no tiroídea. 2) Es significativamente más frecuente en población de mayor 51 años, no encontrándose relación con antecedentes familiares

P082
É A MULTINODULARIDADE CRITÉRIO DE BENIGNIDADE NAS DOENÇAS TIREOIDIANAS?
Szeliga RMS, Carvalho MB, Lehn CN, Menezes MB, Walder F, Amar A, Rapoport A.
Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço - Hospital Heliópolis - São Paulo - Brasil
       A doença nodular tireoidiana é um problema freqüente na prática clínica. A definição da natureza de tais nódulos, se benigna ou maligna, é de fundamental importância na avaliação e tratamento desses casos. Estudos prévios sugerem haver menor incidência de câncer em pacientes com múltiplos nódulos na avaliação clínica quando comparados àqueles com nódulo único. Visando avaliar a importância da nodularidade na predição de malignidade, analisamos retrospectivamente os prontuários de 285 pacientes submetidos à tireoidectomias em nosso serviço em um período de dez anos (1991 a 2000). Cento e sessenta e três apresentavam nódulo único e 63 apresentavam múltiplos nódulos na avaliação clínica. Entre os 163 casos com nódulo único, 33 eram portadores de neoplasias malignas ao estudo anátomo-patológico final (20%). Entre aqueles, cento e trinta e dois pacientes realizaram exame ultrassonográfico, mostrando em 26 casos a presença de múltiplos nódulos (em glândulas clinicamente uninodulares). Destes, quatro eram carcinomas (15%).Dos 63 clinicamente multinodulares, 15 eram malignos (24%). Considerando-se apenas o achado ultrassonográfico, trinta e um casos em 130 (23%)com nódulo único eram carcinomas, enquanto 19 em 67 multinodulares o eram (28%). Concluímos que em nossa casuística os bócios multinodulares, ao exame clínico ou ultrassonográfico, tiveram uma maior incidência de câncer ao exame anátomo-patológico final em relação aos uninodulares.

P083
HEMIAGENESIA DE TIREÓIDE E NÓDULO: RELATO DE DOIS CASOS.
Bezerra AK; Seidenberger K; Souza JJ; Casanova A; Camargo R; Tomimori EK, Medeiros-Neto G.
Unidade de Tireóide, Disciplina de Endocrinologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, Brasil
A hemiagenesia de tiróide é uma rara anomalia, geralmente descoberta incidentalmente e sua prevalência é desconhecida e, talvez, subestimada. Observa-se ausência do lobo esquerdo em 80% dos casos e ausência do istmo em 50%, sendo que 75% dos pacientes são do sexo feminino e 25% do sexo masculino. Várias tiroidopatias foram descritas em associação com a hemiagenesia, entretanto poucos são os casos de tumores. Relatamos 2 casos de hemiagenesia de tiróide associada a nódulo. O primeiro caso trata-se de um paciente do sexo masculino, 32 anos, eutiroidiano que procurou o ambulatório com hipótese diagnóstica de nódulo tireóideo. O exame ultra-sonográfico (US) revelou ausência de lobo esquerdo e istmo e o lobo direito apresentando um nódulo sólido, isoecóico, de contornos regulares, com halo hipoecóico periférico, com pequena área líquida, medindo 5,5 x 3,0 x 3,0 cm (V: 25,7 cc), grau III. A punção aspirativa por agulha fina (PAAF) revelou um padrão de células foliculares sugestivo de neoplasia folicular (grau II). O paciente foi submetido a lobectomia e o exame anátomo-patológico confirmou adenoma folicular. O segundo caso é de uma paciente do sexo feminino, 68 anos, com nódulo tiroideano há 5 meses e função tiróidea normal. O US mostrou ausência de lobo esquerdo e ístmo e a presença de um nódulo sólido, hipoecóico, de contornos irregulares, com pequenas áreas líquidas, medindo 5,5 x 3,0 x 4,8 cm (V:41,2 cc), localizado em lobo direito, grau III. O exame citológico foi suspeito para neoplasia folicular, grau III e a paciente foi encaminhada para cirurgia. Com a utilização da ultra-sonografia em nosso ambulatório, acreditamos que a hemiagenesia da tireóide e a sua associação com outras patologias se torne um achado mais frequente.

P084
METÁSTASES HEPÁTICAS DE CARCINOMA PAPILÍFERO DA TIREÓIDE - RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA
Szeliga RMS, Carvalho MB, Lehn CN, Menezes MB, Franzi SA, Curioni O, Rapoport A.
Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço - Hospital Heliópolis - São Paulo - Brasil
       O carcinoma papilífero da glândula tireóide apresenta na grande maioria das vezes evolução clínica favorável e um bom prognóstico. Dissemina-se geralmente para os linfonodos regionais, por via linfática. Metástases à distância ocorrem em cerca de dez a doze por cento dos casos, em geral para pulmão, ossos, mediastino ou sistema nervoso central, causando grande impacto negativo na sobrevida. Metástases hepáticas são extremamente incomuns na evolução da doença. O presente relato é de um caso de carcinoma papilífero extenso da tireóide em um paciente do sexo masculino de 49 anos, que apresentava-se com aumento de volume cervical anterior havia três anos, com rouquidão e dispnéia recentes. Foi cirurgicamente tratado, vindo a apresentar, na pesquisa de corpo inteiro com 131I pós-operatória, captação maciça do radiomarcador na topografia hepática, sendo este achado corroborado por exame tomográfico computadorizado. Foi encaminhado à radioiodoterapia, com controle apenas parcial das metástases. Apresentou na evolução metástase óssea para esterno, tratada cirurgicamente com sucesso. Apresenta-se estável desde então, somando hoje dois anos de seguimento. Realizamos ampla revisão da literatura, comprovando a raridade da ocorrência de metástases hepáticas na história natural do carcinoma papilífero da tireóide.

P085
CARCINOMA MEDULAR DE TIROIDES: DIFICULTAD EN EL DIAGNÓSTICO PREOPERATORIO.
Novelli, JL; González García, M; Brunás, O.
       Centro de Estudio de Tiroides y Paratiroides (C.E.T.y P.), Rosario, Argentina
El carcinoma medular de tiroides (CMT) se estudia como modelo de cáncer familiar vinculado a un oncogén bien caracterizado. Tiene un marcador tumoral específico, la calcitonina, que es de utilidad en el diagnóstico preoperatorio y en el seguimiento, así como para detectar familiares portadores de pacientes operados por CMT. Es poco frecuente, representa 6-10% de los carcinomas de tiroides, y su diagnóstico preoperatorio resulta dificultoso. Desde abril 1975 a noviembre del 2000, consultaron por patología tiroidea en nuestro servicio 2417 pacientes. De los mismos, 1094 fueron tratados quirúrgicamente por el mismo cirujano, y 272 fueron cánceres (24.9% de las cirugías). Solamente 7 de los cánceres fueron medulares (2.6% del total de la patología maligna), en ninguno de ellos se pudo comprobar que fueran cánceres familiares. Otros 4 casos de CMT fueron descartados pues concurrieron a nuestro servicio sólo por consultas.
Las dificultades para realizar el diagnóstico halladas en la citología preoperatoria obtenida por punción con aguja fina (PAAF) y en la biopsia por congelación intraoperatoria son encontradas por un importante número de autores. En nuestra experiencia, de los siete CMT, sólo uno fue tratado con diagnóstico preoperatorio, realizado por biopsia ganglionar cervical. En los otros seis el diagnóstico se confirmó con la anatomía patológica diferida, a pesar de que contaban con PAAF y biopsias por congelación intraoperatorias. En tres casos se necesitó inmunomarcación de la pieza quirúrgica para arribar al diagnóstico. En conclusión, debemos sospechar un CMT ante la presencia de lesiones citológicas atípicas e indicar inmunomarcación ante la duda. La incorporación de la calcitonina basal en el estudio preoperatorio del bocio nodular podría ayudar al diagnóstico preoperatorio. El diagnóstico tardío podría exponernos a tener que enfrentar la presencia de un caso de neoplasia endocrina múltiple no diagnosticado o a tener que reoperar al enfermo para completar el tratamiento quirúrgico del CMT.

P086
EFEITOS DA AMIODARONA E DA FUNÇÃO TIREÓIDEA SOBRE OS NÍVEIS DOS mRNAs QUE CODIFICAM AS DIFERENTES ISOFORMAS DA ENZIMA Ca2+-ATPase DO RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO DOS MÚSCULOS SOLEAR E EXTENSOR DIGITAL LONGO DO RATO.
Pavan R; Rodrigues SS; Maciel LMZ.
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Brasil.
       A Amiodarona (AM) é uma droga amplamente utilizada como agente anti-arrítmico. Estudos de seus mecanismos de ação têm demonstrado que atua em nível celular interferindo com a expressão gênica de diversas proteínas hormônio tireóideo dependentes, tais como, os receptores hepáticos para LDL-colesterol, e, no miocárdio, a cadeia pesada da miosina, os receptores b-adrenérgicos e a Ca2+-ATPase do retículo sarcoplasmático (SERCA). Na musculatura esquelética seus efeitos não foram estudados. Objetivo: Verificar se a AM induz um hipotireoidismo em nível celular na musculatura esquelética, buscando alterações nos níveis dos mRNAs que codificam as SERCAs 1 e 2 nos músculos Solear e Extensor Digital Longo (EDL) de ratos. Material e Métodos: Ratos Wistar foram tratados com AM (10 mg/100g de peso/dia) e Propiltiouracil (50 mg/dia) por 39 dias. Alguns animais foram sacrificados e os demais iniciaram tratamento com T3, por via SC, nas doses de 0,5 e 10 mg/100g de peso/dia por 4 dias. Os mRNAs foram quantificados por Dot blot utilizando-se cDNAs para as SERCAs 1 e 2. Resultados: A AM não modificou a expressão das SERCAs 1 e 2 nos músculos estudados em condições basais e após o uso de T3, exceto no Solear, no qual houve um aumento na expressão da SERCA 1 com doses farmacológicas de T3. O hipotireoidismo induziu uma redução nos níveis dos mRNAs das SERCAs 1 e 2 no músculo Solear, enquanto que no EDL houve redução da expressão da SERCA 1 e aumento da SERCA 2. Após o uso de T3. houve reversão dos efeitos promovidos pelo hipotireoidismo, exceto na expressão da SERCA 2 no músculo Solear, que permaneceu elevada. Conclusões: 1) As diferentes isoformas das SERCAs na musculatura esquelética têm suas expressões gênicas reguladas pelo T3. 2) Diferente de sua ação no músculo cardíaco, a AM não foi capaz de simular os efeitos do hipotireoidismo na musculatura esquelética quanto à expressão das isoformas desta enzima.

P087
FUNÇÃO TIROIDIANA EM PACIENTES QUE USAM AMIODARONA
Fuks AG., Buescu A., Vaisman M.
Serviço de Endocrinologia HUCFF- UFRJ Rio de Janeiro - Brasil
       Com o objetivo de verificar a prevalência de disfunção tiroidiana em pacientes que usam amiodarona, avaliamos 34 pacientes (19 m/15 h) acompanhados pelo ambulatório de cardiologia do HUCFF, com idade de 58,1 ± 12,9 anos, doses de amiodarona de 200 a 600 mg/dia e tempo de uso da droga de 3 a 183 meses e sem historia de doença tiroidiana. Definimos disfunção tiroidiana como TSH fora da faixa de normalidade, independente do nível de T4 livre. Os pacientes foram submetidos à um exame físico objetivo, história e coleta de sangue. Treze pacientes (38,2%) possuíam valores alterados de TSH, sendo que 10 (77%) apresentavam níveis acima do limite da normalidade e em 3 (23%) o valor do TSH estava abaixo do limite normal. Hipotiroidismo clinico foi diagnosticado em 3 (8,82%) e hipertiroidismo em 1 paciente (2,94%). Não houve diferença entre os pacientes com e sem disfunção tiroidiana em relação à sexo, idade, presença de bócio, doença auto-imune associada ou história familiar de doença tiroidiana. Em nossa amostra, a prevalência de hipo e hipertiroidismo foi semelhante à descrita na literatura. Como esperado em áreas onde a ingesta de iodo é suficiente, a incidência de hipotiroidismo foi superior a de hipertiroidismo. Entretanto, encontramos uma alta prevalência de disfunção tiroidiana, que apesar de não ter significado clínico em todos os pacientes, sugere que níveis de TSH e T4 livre devam ser sempre monitorizados nos pacientes que fazem uso crônico de amiodarona. A falta de associação com outros fatores de risco (sexo feminino, doenças auto-imune ou idade) deve ser explicada pelo pequeno número de pacientes estudados.

P088
DISFUNÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES GERIÁTRICOS
Goelzer LS.; Leite SF.; Coelho AATL.
Hospital Universitário de Mato Grosso do Sul - UFMS - Campo Grande-MS, Brasil
       Introdução: A disfunção tireoidiana pode confundir ou mascarar diversas situações clínicas, principalmente nos pacientes geriátricos. Tanto o hipo como o hipertireoidismo podem ser diagnosticados através de testes laboratoriais e facilmente tratados. Não sabemos a freqüência desta afecção em nosso meio. O objetivo foi descobrir a magnitude deste problema em nossa população idosa. Material e Métodos: Elaboração de um Protocolo de Estudo em sistema de entrevista em amostra ambulatorial, avaliando dados clínicos, doenças concomitantes, tratamento prévio da tireóide e dosagens de TSH e de T4 Livre, através de Enzimaimunoensaio por micropartículas, utilizando o aparelho AXSYM ABBOTT. Resultados: 121 pacientes, sendo 67(55,4%) do sexo feminino e 54 (44,6%) do sexo masculino. As idades variaram entre 65 e 99 anos, média = 74,2 anos. O sintoma mais freqüente foi a diminuição da memória por 57,0% dos pacientes. Dos sintomas depressivos, o sono perturbado obteve 31,4%. Bócio ocorreu em 12 (9,92%) pacientes, sendo 9 mulheres e 3 homens. Duas pacientes apresentaram nódulos à palpação tireoidiana. A HAS foi a doença concomitante mais citada, com 55 (45,45%) pacientes. A Tabela abaixo ilustra os resultados obtidos.
                                                       NORMAL                             ELEVADO                          SUPRIMIDO
HOMEMMULHERHOMEMMULHERHOMEMMULHER
TSH45 (83,33%)57 (85,07%)04 (7,40%)05 (7,46%)05 (9,26%)05 (7,46%)
T4LIVRE50 (92,60%)61 (91,04%)01 (1,85%)02 (2,98%)03 (5,55%)04 (5,97%)
Aqueles com valores discretamente alterados tiveram as dosagens repetidas após 2 meses. Conclusão: Obtivemos 17 (14,05%) pacientes com disfunções tireoidianas, sendo 8 com Hipotireoidismo Primário, 7 com Hipertireoidismo Subclínico, um caso não confirmado de T4 Livre diminuído, 1 paciente com Hipotireoidismo Subclínico. As queixas clínicas são inespecíficas; então, acreditamos que é fundamental na avaliação do idoso a dosagem hormonal de TSH e deT4 Livre

P089
NIVELES DE TSH-S EN ANCIANOS SANOS DE UNA REGION ANDINA CON CORRECCION DEL DEFICIT DE YODO: RESULTADOS PRELIMINARES.
Rosales B, Montalvo MA, Narvaez L, Pacheco VM.
Universidad Central. Quito-Ecuador
      Se desconoce el comportmaiento de los niveles de TSH en relación con el envejecimiento en la region andina ecuatoriana. Se investigaron los niveles de TSH-S en una poblacion de ancianos aparentemente sanos residentes en Quito. En 103 sujetos activos mayores a 60 años (r 60-89, media 67.8 años) que acudian a un club, 18% hombres, en quienes se excluyo la presencia de enfermedades activas y de diagnosticos previos de procesos endocrinologicos, se midieron por inmunoelectro quimioluminiscencia los niveles de TSH-S (Boehringer Elcys 1731459, r: 0.23-4.0 mUI/ml) que demostro una CV intra e inter ensayo de 6 y 8%, y de fT4 (Boehringer Elecys 1731297, r: 1.0-1.8 ng/dl) con CV de 8 y 9%. En quienes presentaron niveles de TSH altos de TSH repetimos la misma y medimos anticuerpos antiperoxidasa (AcATPO)(Roche Elecys 1820818, CV menor al 3%, r: 0-34 UI/ml). 16.6% (17/103) tuvieron niveles de TSH mayores al rango normal. No se encontraron diferencias significativas en el grupo de mayor a 70 años (17.5% vs. 16.1%). 62.5% de quienes tuvieron TSH-S elevada presentaron niveles bajos de fT4, y el 47% AcATPO mayor al nivel de corte. El 12.6% (13/103) de la población presento TSH-S elevada con fT4 baja, siendo catalogados como hipotiroideos primarios, de ellos 46% (6/13) tuvieron AcATPO sobre el rango normal y se los considero portadores de hipotiroidismo priamrio autoinmune. 3.8% del total tuvieron niveles de TSH-S elevados con fT4 y AcATPO normales. Los resultados obtenidos ¿sugieren una eclosion de lso procesos autoinmunes en esta poblacion? o bien ¿solo reflejan el proceso de envejecimiento modulado por la correccion reciente de la deficiencia severa de yodo y la altura media del habitat sobre el nivel del mar (2800 m)?

P090
THYROID DISORDERS IN A WORKING POPULATION FROM RIO DE JANEIRO
Reis, FAA, Costa, AJL, Rocha, MBL, Santos, M, Abe, A, Vaisman, M.
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Faculdade de Medicina/ Serviço de Endocrinologia-HUCFF - Rio de Janeiro - Brazil
      There are a few studies in Brazil about the prevalence of thyroid disorders in areas without endemic goiter. We have studied a sample (n= 302) of workers at a university ( n= 12.644 ) from Rio de Janeiro. They were selected by ramdom simple sampling and have been evaluated for clinical and laboratorial thyroid disorders. Venous blood was drawn for TSH and anti-TPO dosages (chemiluminescent assays) as screening for thyroid dysfunction and autoimmunity. Free T4 was measured in patients with an abnormal TSH and free T3 in that with a low TSH. TRAb was measured in everyone with a spontaneously low TSH (except in secondary hypothyroidism). The mean age of the sample was 43 years ( 92 men - mean age of 42,5 years, and 212 women - mean age of 43,5 years ). An abnormal thyroid palpation was found in 12,6% ( n= 38 ) and was more frequent among women ( 14, 7% ) than men (8,7%), p> 0,05. The prevalence of an abnormal thyroid palpation was greater in persons aged 40 years ou more, both for women ( 11% vs. 16,4%, p> 0,05) and men ( 2,3% vs. 14,6%, p< 0,05 ). Positive anti-TPO was present in 9,2% ( n= 28 ) without significant difference between sexes ( men= 7,6% vs. women= 10% ). The prevalence of positive anti-TPO was greater for that aged 50 years or more ( 6,7% vs. 16,5%, p< 0,05 ), both women ( 8% vs. 15%, p> 0,05 ) and men ( 4% vs. 21%, p< 0,05 ). Low TSH was present in 4% ( n=12 ) including one woman with Graves' disease and another with Sheehan's syndrome. Elevated TSH was present in 3,3% ( n= 10 ) including 2 men with overt hypothyroidism not clinically recognized. Comparing our results with literature, we found similiar data in almost all aspects for women, but a greater prevalence of thyroid disorders in men.

[VOLVER] [SIGUIENTE]